ACHE AQUI O SEU PROFISSIONAL DE SAÚDE!
Médico Dentista Fisioterapeuta Nutricionista Fonoaudióloga Psicólogo Enfermeira Terapias Alternativas Personal Trainer Veterinário

Cadastro gratuito para os profissionais de saúde. Clique aqui.

  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer
  • Jornal Saúde e Lazer

Edição Impressa
Assine nossa newsletter:
cadastrar
Participe da nossa enquete:
Melhor região do Brasil para tirar as Férias?












votar
ver resultado


Saiba tudo sobre estrabismo

23/11/2017 | Visualizações: 6945
Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer
Dê a sua nota:
Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer Saude e lazer



Doença atinge adultos e crianças ao longo da vida ou por fatores genéticos

Conhecido popularmente como ‘olho torto ou vesguice’, o estrabismo é uma alteração que não deixa os olhos ficarem paralelos. Isso acontece porque os músculos, que são comandados pelos nervos do crânio conectados ao sistema nervoso central, não trabalham em conjunto. Como consequência, o indivíduo não consegue focalizar o globo ocular no mesmo ponto e os olhos ficam desalinhados.

De acordo com o médico oftalmologista Dr. José Ernesto Ghedin Servidei, consultor da Óticas Diniz – maior rede de varejo óptico do Brasil –, o estrabismo não é apenas um incômodo estético. “O problema é muito maior que um ‘olho torto’ ou o desconforto ao usar o tampão durante o tratamento. Além de levar a outras doenças, como ambliopia, ainda pode causar à perda irreversível da visão no olho estrábico”, explica.

Causado pela diferença de acuidade visual, quando um olho enxerga bem e o outro não, o estrabismo afeta homens e mulheres, sejam adultos ou crianças. “Em alguns casos, aparece por causa da pré-disposição genética logo no nascimento, mas pode ser adquirida ao longo da vida. Por isso, é necessário prestar atenção aos sintomas desde cedo. Emparelhamento, embaçamento e visão dupla são alguns deles. Entortar a cabeça para enxergar melhor, fechar os olhos durante a claridade e piscar constantemente também indicam que algo não está bem”, afirma o especialista.

Após diagnosticada, a doença começa a ser tratada pela correção do que causa a alteração ocular. Uso de colírios e exercícios para o fortalecimento dos olhos são algumas das medidas. Em outros casos, o problema pode ser corrigido com o uso de óculos ou tampões para que o olho se esforce para desviar e corrigir o grau. “Embora muito utilizado no tratamento do estrabismo, essa última alternativa pode não colocar o olho de volta no lugar certo, mas ajuda a devolver a visão do olho estrábico. Neste caso, por questões estéticas, é possível fazer cirurgia para corrigir o desalinhamento”, detalha o Dr. José Ernesto Ghedin Servidei. 

O estrabismo não tem cura espontânea e a cirurgia é recomendada apenas quando o desvio se mantém mesmo após outras tentativas de tratamento. “Por isso é ideal que o paciente procure o oftalmologista a partir do momento que perceber alguns dos sintomas. Além disso, é importante se consultar com um médico oftalmologista pelo menos uma vez por ano”, finaliza o consultor da Óticas Diniz.
 
Fonte: ÓTICA DINIZ


 
tags:






Comentários (0):


ANTES DE ESCREVER O SEU COMENTÁRIO, LEMBRE-SE:
Todo e qualquer comentário postado neste site é de exclusiva responsabilidade do autor. Comentários com conteúdos impróprios, obscenos ou que não tenham relação com o conteúdo serão excluídos. Dê a sua opinião com responsabilidade!
Comentários

Deixe o seu comentário:

Nome:


E-mail (não será publicado):


Mensagem:


enviar















Siga-nos nas Redes Sociais